Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Vivendo sempre — Familiares diversos


2


Laerte Assyrio Chaves

MENSAGEM


1 Querida mãezinha Lourdes. Abençoe-me.

2 Se posso começar esta carta com alegria, quero dizer ao seu carinho que seu filho está infinitamente reconhecido por sua lembrança.

3 Escutei suas preces: — “Eu queria Dr. Bezerra, em nome de Jesus, notícias de meu filho em seu aniversário. Isso será nova energia para mim”… — Seus pedidos ao benfeitor, a quem passamos a dever tanto, me tocou as entranhas da alma.

4 Uni-me às suas rogativas: — “Desejo, meu Deus, gritava em pensamento, dizer à mamãe que sou grato”. — E parece que uma ligação de alma para alma se fez de tal modo que o amigo espiritual com a vovó Marina me trouxeram até aqui.

5 Mamãe, muito obrigado. O nosso dia 25 deste mês passará como os anteriores, com o seu coração em prece a me iluminar os caminhos, passará com as suas mãos repartindo bênçãos e com o meu espírito aprendendo a seu lado.

6 Aqui, pude entender com mais segurança as suas tarefas com meu pai Jacy, buscando minorar o sofrimento daqueles que sendo da família humana eram e são igualmente nossos irmãos.

7 Às vezes, embora não dissesse, pelo respeito que sempre me inspiraram, às vezes, repito, indagava de mim próprio porque a senhora e papai trabalhavam tanto para auxiliar fora de nossa casa a corações que eu supunha desconhecidos.

8 Mas aqui muitos desses irmãos me aguardavam; eram velhinhos que assim o foram no mundo, que me falavam de seu amor por eles na casa de Paulo de Tarso, eram mães agora consoladas e felizes que se referiam às suas visitas afetuosas aos filhos sofredores que ainda acalentam o mundo…

9 Isso tudo era tão novo e tão belo para mim que embora o sofrimento da separação do lar e dos meus me atingisse o coração por lâmina que se me entranhasse no peito, entendi mais depressa a obrigação de reagir.

10 A queda do avião fora um acontecimento de expressão indefinível. Quando reconheci que a descida desgovernada era problema sem solução, pensei em suas preces por um segundo só…

11 Sabia que embaixo, no campo, devia estar a multidão em festa, conquanto a chuva que caíra momentos antes… Entreguei-me, porém, a Deus, e nada mais senti que um longo arrepio precedendo o sono agitado em que penetrei…

12 O que foi semelhante pesadelo, não sei contar. Sei apenas que me vi com a vovó Marina e com o bisavô Assyrio num campo de repouso que julguei a princípio fosse uma dependência de hospital para acidentados…

13 Até que me convenci de que não mais me vinculava ao Plano Físico, hesitei muito em admitir a verdade.

14 Vovó Marina me conduziu, então, à nossa casa e vi que a senhora não me via mais e, porque eu chorasse, me recordo de que o seu pensamento foi atraído para um retrato meu e ouvi as suas preces encharcadas de lágrimas por minha causa…

15 Então, foi a renovação em mim, porque a via quase que em desânimo com o papai desolado, diante da ocorrência… Não sei como pude retomar as preces do tempo de criança, das quais já me havia esquecido… E pedi a Deus lhes reerguesse as forças e os fizesse novamente viver. Daí para cá, venho passando por transformações e transformações.

16 Até hoje ignoro o destino do companheiro que me levou ao voo extra-programado e sei apenas que o socorro antecipado de muitos amigos espirituais provocaram o afastamento do público do local em que supunha viéssemos a fazer muito estrago.

17 Sei igualmente que uma criança foi arrancada à família, naquele instante inolvidável, mas nossos benfeitores daqui me acomodam o pensamento recomendando-me tempo de espera maior a fim de vê-la.

18 Agradeço, mamãe, agradeço ao seu carinho e ao carinho de meu pai por todas as bênçãos com as quais acendem sinais luminosos em meus novos caminhos.

19 Diga ao cunhado e à nossa Lícia que posso ainda tão pouco, no entanto, estarei com todos os corações queridos que deixei na Terra a fim de lhes ser útil. Qualidades me faltam para isso, mas já possuo fé em Deus e sei que a Divina Providência fará por mim aquilo que ainda não sei, nem posso fazer.

20 Mamãe, abençoe-me e abençoe a todos os corações amados dos quais me separei, atendendo aos desígnios da Vida Superior.

21 Peço seja dito ao meu pai que muitos benfeitores daqui o auxiliaram na retomada da saúde. Continuemos todos juntos.

22 Creia que teria desejado ficar em casa e prosseguir com todos os meus na viagem da Terra, mas os decretos de Cima funcionam de modo decisivo e sabemos que a Lei de Deus faz sempre o melhor que possamos receber.

23 Agradeço as preces dos amigos queridos e desejo comunicar à senhora que o nosso amigo Virgílio de Almeida, nos tempos últimos, tem sido para mim um instrutor e um amigo, treinando-me em tarefas da Vida Espiritual com a bondade que a senhora conhece.

24 Agora, querida mãezinha, não posso alongar-me. É preciso terminar esta carta do coração, embora saibamos que nenhuma carta do coração pode ter fim.

25 Guardando a senhora e meu pai Jacy nos próprios braços que continuam fortes como sempre, peço-lhes de novo para que me abençoem, ao mesmo tempo que lhes entrego todo o meu coração de filho reconhecido.


Laerte n


COMENTÁRIOS


Ao reconhecer-se no Plano Espiritual, a beleza envolvente no coração de Laerte, em reconhecimento ao amor de seus pais e confirmado pela presença de Espíritos Amigos que o socorreram em gratidão por tudo que receberam quando asilados na Terra. Mães agradecidas pelas visitas que seus filhos, ainda no mundo, recebem. E o desejo de conhecer o menino que fora vítima ao chocar-se com seu avião, do companheiro programador do voo e o conhecimento do afastamento do público pelos muitos amigos espirituais.

O valor dessa mensagem se reveste de grande importância para nós outros, em geral.


PESSOAS E FATOS


Laerte Assyrio Chaves.

Nascimento: 25.9.1942. Desencarnação: 19.7.1975.

Pais: Jacy Martins Chaves e Lourdes Assyria Chaves. Rua Turquesa, 697 — Prado Belo Horizonte — MG.

Irmã: Lícia Assyria Chaves, caçula.

Avó: Mariana, materna, desencarnada 6 meses antes.

Bisavô Assyrio, materno, desencarnado no Líbano.

Cunhado: Marido de Lícia Assyria.

Criança mencionada: Menor falecido por ocasião do acidente, quando o avião bateu em uma parede e esta atingiu a criança.

Virgílio de Almeida: conceituado espírita, amigo e vizinho, desencarnado.


Rubens S. Germinhasi


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir