Bíblia do Caminho Testamento Kardequiano

Revista espírita — Ano VI — Março de 1863.

(Édition Française)

Fotografia dos Espíritos.

O Courrier du Bas-Rhin  †  de sábado, 3 de janeiro de 1863 (seção alemã) contém o seguinte artigo, sob o título de Fotografia Espectral:


“Os americanos, que nos precedem em muitas coisas, certamente nos ultrapassam na arte da fotografia e na evocação dos Espíritos. Hoje, em Boston,  †  não só os defuntos são evocados pelos médiuns, mas, ainda, fotografados. Deve-se essa descoberta maravilhosa a um tal William Mumler,  †  de Boston. [v. Ghost of Abraham Lincoln]  † 

“Há algum tempo — é ele próprio que conta — eu experimentava em meu laboratório um novo aparelho fotográfico, fazendo a minha própria fotografia. De repente senti uma certa pressão que se exercia sobre o meu braço direito e uma lassidão geral em todo o corpo. Mas quem descreveria o meu espanto quando vi meu retrato reproduzido e, à direita, a imagem de uma segunda pessoa, que não era outra senão minha falecida prima? A semelhança do retrato, no dizer dos que conheceram aquela senhora, nada deixa a desejar.

“Em consequência, desde essa época o Sr. Mumler não dá aos clientes apenas sessões espiritualistas, mas ainda executa fotografias dos defuntos evocados. São ordinariamente um pouco pálidas e embaçadas e os traços muito difíceis de reconhecer, o que não impede os habitantes de Boston, esclarecidos, declará-los verdadeiros, autênticos. Quem daria atenção a imagens espectrais!”

Semelhante descoberta, caso fosse real, por certo teria imensas consequências e seria um dos fatos de manifestações mais notáveis. Não obstante, exortamos a sua acolhida com prudente reserva. Os americanos que, no dizer do articulista, nos ultrapassam em tantas coisas, ensinaram que também nos distanciaram na invenção de mentiras.

Para quem quer que conheça as propriedades do perispírito, à primeira vista a coisa não parece materialmente impossível. Hão surgido tantas coisas extraordinárias que de nada nos deveríamos admirar. Os Espíritos anunciaram manifestações de uma nova ordem, ainda mais surpreendentes que as já vistas; a de que se cuida estaria, incontestavelmente, neste número. Mas, ainda uma vez, até uma constatação mais autêntica que o relato de um jornal, é prudente ficar em dúvida. Se a coisa for verdadeira, será vulgarizada. Seja como for, devemos nos guardar de dar credibilidade a todas as histórias maravilhosas, que os inimigos do Espiritismo se comprazem em espalhar para o tornar ridículo, bem como os que as aceitam muito facilmente. Além disso, é preciso pensar maduramente antes de atribuir aos Espíritos todos os fenômenos insólitos que se não podem explicar. Um exame atento mostra, na maioria das vezes, uma causa inteiramente material, que não tinha sido percebida. É uma recomendação expressa que fazemos em O Livro dos Médiuns.

Em apoio ao que acabamos de dizer e a propósito da fotografia espírita, citaremos o artigo seguinte, extraído da Patrie, de 23 de fevereiro de 1863. n Ele nos põe em guarda contra os julgamentos precipitados.


“Um jovem lorde, portador de um dos nomes mais antigos e mais ilustres da câmara alta, cujo gosto apaixonado pela fotografia vale grandes e felizes sucessos a essa arte que, talvez, seja ainda mais uma ciência que uma arte, acaba de perder sua irmã, que amava com extrema ternura. Ferido no coração e lançado no mais profundo desânimo, que muitas vezes a mágoa produz, deixou seus aparelhos fotográficos e a Inglaterra, fez uma longa viagem pelo continente e só retornou à sua residência quase real de Lancashire  †  depois de uma ausência de quase quatro anos.

“Como acontece geralmente, seu desespero havia passado do estado agudo ao crônico, isto é, sem ter perdido a intensidade, havia perdido a violência e pouco a pouco se transformava em sombria resignação.

“Quando os que sofrem buscam consolo, dirigem-se primeiramente a Deus, depois ao trabalho. Assim, pouco a pouco o jovem lorde retomou o caminho do seu laboratório e voltou aos seus aparelhos de fotografia.

“Por uma espécie de transação com sua dor, a primeira imagem que pensou em fotografar foi o interior da capela onde repousavam os restos mortais de sua irmã. Obtido o negativo, entrou no laboratório e, para obter uma prova, submeteu a placa de vidro às preparações ordinárias e expôs o clichê à luz.

“Lançando os olhos sobre a prova, quase caiu desmaiado. O interior da capela surgia com grande nitidez, mas a cabeça da jovem defunta aparecia vagamente na parte menos iluminada da fotografia. Distinguiam-se perfeitamente seus traços suaves e encantadores e até as longas ondulações de sua indumentária. Contudo, através destas, os menores detalhes da capela acentuavam-se claramente.

“A primeira reação do lorde foi crer numa aparição, mas logo sorriu tristemente abanando a cabeça. Com efeito, lembrou-se de que alguns anos antes, sobre aquela mesma placa de vidro, havia feito uma fotografia da irmã. Não tendo obtido resultado satisfatório, apagou o retrato e provavelmente apagou mal, pois seus vagos contornos hoje se confundem com a nova imagem impressa na chapa.

“Na Inglaterra, alguns artistas exploram essa bizarra aplicação da fotografia; fabricam e vendem imagens duplas, cujas combinações produzem efeitos estranhos ou engraçados. Entre outros nos mostraram um castelo em ruínas, abaixo do qual transpareciam seu parque, suas fachadas e torreões, tais como deveriam existir antes de sua destruição.

“Fazem ainda retratos de velhos, através dos quais seus rostos aparecem como nos mais belos tempos da juventude.”



[1] N. do T.: Tudo indica que Allan Kardec não dava muito crédito às fotografias espíritas. Contudo, a própria Revista Espírita, cinco anos após a sua desencarnação, publicou fotografia póstuma do Codificador ao lado da esposa, então encarnada. Gabriel Delanne, em livro editado pela FEB (O Espiritismo perante a Ciência), trata do assunto com muita propriedade. Vide, ainda, o livro Procès des Spirites [Marina P. G. Leymarie - 1875.] (Processo dos Espíritas), em francês, também editado pela FEB.


.

Abrir